Facebook Twitter YouTube RSS
+ - TAMANHO DO TEXTO

HISTÓRIA DO MUNICÍPIO DE XANXERÊ

Pelo decreto nº 2.502 de 16 de novembro de 1859, foram criadas duas colônias militares, a de Chapecó e a de Chopim. Porém, a instalação destas colônias só ocorreu bem mais tarde. Foi designado o Capitão José Bernardino Bormann para tal tarefa, fundando a Colônia Militar de Chapecó em 1880 e efetivando sua instalação em 14 de março de 1882. José Bernardino Bormann foi diretor da Colônia Militar de Chapecó (também chamada colônia de Xanxerê) por dezessete anos, vindo a falecer mais tarde no Rio de Janeiro, já ocupando o posto de Marechal.

A colônia militar de Xanxerê foi extinta em 1890, tornando-se distrito do município de Palmas (PR), com a denominação de Distrito de Generozópolis.

Em 1916, houve a intervenção do presidente da república Dr. Wenceslau Brás, resolvendo a questão dos limites entre Santa Catarina e Paraná, juntamente com o General Felipe Schmidt, governador de Santa Catarina e o Coronel Cavalcanti, governador do Paraná.

Através da Lei Estadual nº 1.147, de 24 de agosto de 1917, Santa Catarina é dividida em novos municípios, entre os quais o de Chapecó. Foi nomeado o coronel Manoel dos Santos Marinho para exercer provisoriamente o cargo de superintendente municipal (o que hoje equivaleria ao cargo de prefeito).

Foram realizadas eleições em Passo Bormann, Xanxerê, São Domingos, Campo Erê e Barracão, todas pertencentes ao município de Chapecó, tendo sido eleito o próprio coronel Manoel dos Santos Marinho, que por sua vez nomeou através da Resolução nº 05 de 01/09/1917 o Sr. José Julio Farrapo para atuar como intendente em Xanxerê.

Em 05 de novembro de 1919, pela Lei nº 1.260, o governador Hercílio Luz transfere a sede do município para o distrito de Xanxerê, e em 05 de dezembro de 1923 novamente efetua a mudança da sede municipal para a localidade de Passo Bormann. Em virtude de tal mudança, o distrito de Xanxerê passou a ser denominado Rui Barbosa, pertencendo à Comarca de Chapecó até fins de dezembro de 1929, quando teve novamente reestabelecida sua denominação para Xanxerê, e através da Lei Estadual nº 1.645 de 03 de outubro de 1929, Xanxerê voltou a ser elevada à condição de sede do município de Chapecó.

Com a revolução de 1930, foi investido na função de governador do estado o General Ptolomeu de Assis Brasil, que por sua vez, designou para prefeito de Chapecó o cidadão Nicácio Portela Diniz, que novamente instaurou a sede do município na localidade de Passo Bormann. Com o falecimento do prefeito em fevereiro de 1931, assumiu o cargo João Alves Marinho, capitão da Força Pública do Estado, que sugeriu ao governador a transferência da sede para o povoado de Passo dos Indios, o que acabou acontecendo em maio de 1931.

Através do Decreto Lei nº 86 de 31 de março de 1938 a sede do município deixou de ser denominada de Passo dos Indios e passou a chamar-se Chapecó. No ano de 1943 foram criados diversos territórios no país, entre eles o território do Iguaçú, do qual Chapecó passou a fazer parte integrante. O território do Iguaçú atingia boa parte do sudoeste do Paraná e a maior parte do oeste catarinense. Em 1946 uma emenda constitucional reverteu aos estados de origem, as áreas que integravam aquele território e desta forma Xanxerê e os demais integrantes do município de Chapecó voltavam a fazer parte do território catarinense.

O SONHO DA EMANCIPAÇÃO

Para estas terras começaram a migrar famílias vindas dos mais diversos lugares, em sua grande maioria do estado do Rio Grande do Sul, atraídos principalmente

Segundo senso realizado no ano de 1950, a área urbana da vila de Xanxerê contava com 1.311 habitantes (sendo 643 homens e 668 mulheres), Abelardo Luz tinha 118 habitantes (57 homens e 61 mulheres) e Faxinal dos Guedes 452 habitantes (263 homens e 279 mulheres), o que perfazia um total de 2.381 habitantes.

Ainda segundo os dados levantados pelo mesmo senso, Xanxerê contava à época com uma das maiores populações rurais do estado, tendo 86,7% de sua população vivendo na área rural.

Conforme relatos, Xanxerê serviu também como local de "esconderijo" de jagunços, bandoleiros e mercenários que se abrigavam nas frondosas matas por aqui existentes, na intenção de se esgueirarem das mãos da justiça.

Com o passar do tempo, os cidadãos de bem deste pequeno povoado, começaram a vislumbrar a possibilidade de fazer desta terra, um lugar onde se pudesse fazer imperar a lei e a ordem, e principalmente que garantisse àqueles bravos pioneiros, um futuro melhor para suas famílias e para todos os que aqui chegassem.

Este propósito se complementava com a idéia de fazer da vila de Xanxerê um município independente, e com o firme propósito de concretizar este sonho, no dia 29 de março de 1952, reuniram-se na residência do Sr. Arduino Antoniolli, um grande número de pessoas ligadas às mais diversas correntes políticas e econômicas de Xanxerê, para dar os primeiros passos rumo à independência. Este fato ficou registrado na Ata da primeira reunião pró emancipação do município de Xanxerê que transcrevemos a seguir:

Ata da primeira Reunião Pró Emancipação do Município de Xanxerê

Aos vinte e nove dias do mês de março de mil novecentos e cincoenta e dois, às vinte horas, nesta Vila de Xanxerê, município e comarca de Chapecó, Estado de Santa Catarina, na casa de residência do Snr. Ardoino A. Antoniolli, previamente designada, presentes os snrs. João Winckler, Carlos Antoniolli, Antonio Vitório Giordani, José Zoccoli, Ernesto Scirea, Rovilho Bortoluzzi, Dr. Jacir Ribas Melzer, Aparicio Julio Farrapo, Francisco Grassi, Jorge de Moraes, Otaviano Carneiro Porto, Francisco de Siqueira Fortes, Olivio Angelo Micheletto, Romeu Scirea, Alcides Zuchelo, José Sennes Pinto, Salin Loureiro Antonio, Camilo Loureiro Antonio, João Westerich, Antonio Ultibeu Winckler, Pery Winckler, Basilio Flâmia, Hermes Sassi, Alberto Michelin, Antonio Carmelli, Ernesto Carmelli, Petrônio de Moraes, Luiz Alvaro de Moraes e João Izidro Machado. Fazendo uso da palavra o Snr. João Winckler disse que a finalidade da presente reunião era para tratar da emancipação política-administrativa do município de Xanxerê e que acabava de regressar da capital do Estado, onde notou a boa vontade por parte do Snr. Governador, seus auxiliares e de vários membros da Assembléia e que assim sugeria aos presentes a escolha do Snr. Ardoino Amiquerle Antoniolli para presidir a presente sessão, o que foi aceito por unanimidade dos presentes. A seguir, o Snr. Ardoino Amiquerle Antoniolli, assumindo a presidência, em rápidas e incisivas palavras expôs aos presentes os motivos, digo, as vantagens e mesmo a criação do novo município de Chapecó, digo, de Xanxerê, digo, vantagens e mesmo a necessidade da criação do município de Xanxerê, propondo que fossem iniciados imediatamente as demarches para serem criadas as comissões para tratarem do assunto em tela, o que ficou aceito por todos os presentes. Propôs também fossem nomeada uma comissão para entrar em entendimentos com os nossos amigos dos distritos de Fachinal dos Guedes, Abelardo Luz, São Domingos e si possível Campo-Erê, cujas preposições foram pelo Snr. Ardoino Amiquerle Antoniolli, submetidas à apreciação dos presentes. Após a troca de idéias e feitos os estudos necessários, foram aprovadas por todos, ficando indicados os nomes dos Snrs. João Winckler, José Zoccoli, Dr. Jacir Ribas Melzer, Aparicio Julio Farrapo, Olivio Angelo Micheletto, Adilio Fortes, Antonio Vitório Giordani, Carlos Antoniolli, Jorge de Moraes, Ernesto Scirea, Romeu Scirea, Antonio Ultibeu Winckler, José Sennes Pinto, João Westerich, Alberto Michelin, Antonio Carmelli, Ernesto Carmelli, Mafaldo Buzzachera, Dr. Lino Ercole, Guimorvan Winckler, Basilio Flâmia, Hermes Sassi, Luiz Pelegrini, Rovilho Bortoluzzi, João Luiz Scopel, Pedro Bortoluzzi, Angelo Bonfilio Corso, Nilo Munaretti, Rafael Roman, Euclides de Almeida Ribas e todas as demais pessoas que queiram emprestar o seu apoio, para visitar os nossos amigos dos distritos mencionados, afim de auscultar a opinião dos mesmos e convida-los para as futuras reuniões. Retomando a palavra o Snr. Ardoino Antoniolli reafirmou os dizeres do Snr. João Winckler, disse que todos os trabalhos pró-emancipação de Xanxerê deverão ser tratados num plano elevado e independente de qualquer cor político-partidária, o que foi aprovado com especial satisfação por todos os presentes. Nada mais havendo a tratar, o Snr. Presidente deu por encerrada a presente sessão, designando a mim, Romeu Scirea, para servir de secretário afim de lavrar esta ata que, lida e achada conforme, vai por todos assinada. Eu, Romeu Scirea, secretário, a datilografei. (vai assinada por todos os presentes)

Ver o original da Ata da Primeira Reunião Pró Emancipação.

Emancipacionistas
Foi justamente a partir deste movimento que começou a nascer o município de Xanxerê. No ano de 1953, deslocou-se até a capital do estado, uma comissão formada pelos senhores Jorge Moraes, Rovilho Bortoluzzi, Aparício Julio Farrapo, João Winckler, José Zoccoli, Ardoino Amiquerle Antoniolli, Dr. Jacir Ribas Melzer, Antonio Vitório Giordani, João Luiz Scopel, Adilio Fortes e Romeu Scirea (cujo registro ficou imortalizado na história deste município, com a fotografia dos componentes da comissão junto à Figueira, localizada na Praça XV de Novembro).

Na Assembléia Legislativa a comissão foi brilhantemente representada pelo Dr. Jacir Ribas Melzer, vereador em Chapecó, (representante do distrito de Xanxerê naquela Câmara), que através de suas enriquecedoras e efusivas explanações, conseguiu junto aos deputados estaduais, o apoio necessário para elevar Xanxerê à condição de município.

Em 17 de dezembro de 1953 a Assembléia Legislativa do Estado de Santa Catarina aprovou em sessão plenária, a criação do município de Xanxerê, conforme telegramas recebidos por membros da Comissão Pró Emancipação, fato que pode ser observado através da transcrição dos mesmos:

Telegramas
Carmello / Zoccoli - Xanxerê - Carimbo de 17 dez 1953
Florianópolis 9674 - 21 - 16 - 17
"Prazer comunicar prezado amigo criação agora Assembléia
Legislativa Município Xanxerê, qual auguro porvir.
Abraços, Dimas Siqueira Campos

Urgente
Comissão Emancipação Xanxerê - Carimbo de 18 dez 1953
Florianópolis 9737 49 - 17 - 18
Hontem as 22 horas foi criado município Xanxerê
devolvendo-se a este território Abelardo Luz pt
mais foi impossível fazermos pt Tomazi que remete
telegrama São Domingos deixando cópias assinaturas.
Abraços, Laercio

A notícia da emancipação político-administrativa de Xanxerê se espalhou rapidamente, mobilizando uma grande parte da população que se deslocou para a região central da vila, onde houve comemoração por aquela importante conquista. Afinal, exatamente um ano e nove meses após a primeira reunião da comissão pró-emancipação, através da Lei nº 133 de 30 de dezembro de 1953, a pequena população de Xanxerê, viu seu sonho se tornar realidade. Criava-se então, o município de Xanxerê. Ver o original da Lei 133.

XANXERÊ UMA REALIDADE

Em 27 de fevereiro de 1954 foi instalado oficialmente o município, tendo sido designado pelo governador do estado Sr. Irineu Bornhausen, para assumir o cargo de prefeito provisório de Xanxerê, o Inspetor Geral de Ensino do Estado, Professor Teodósio Mauricio Wanderley.

Eleições
Com a instalação do município, os líderes políticos da época, começaram as articulações para as eleições que viriam a ser realizadas em 03 de outubro de 1954, porém sem deixar para trás os ideais emancipacionistas que eram de defender os interesses de toda a coletividade xanxerense. Concorreram no primeiro pleito eleitoral de Xanxerê, ao cargo de prefeito municipal, os senhores Adilio Fortes, pelo PSD - Partido Social Democrata; Romeu Scirea pelo PDC - Partido Democrata Cristão; Carlos Antoniolli pelo PTB - Partido Trabalhista Brasileiro e Remigio Giordani pela UDN - União Democrática Nacional. Realizada a eleição, o resultado das urnas consagrou o candidato Adilio Fortes (PSD), que se tornou o primeiro prefeito eleito do município. Naquele mesmo pleito também foram eleitos os sete vereadores que iriam compor a primeira legislatura da Câmara Municipal: Alberto Michelin, Arduino Antoniolli, Domingos Maciel, Julio Olimpio Tortatto, Mauricio Rodrigues da Costa, Severino Zavascki e Ventura Migliorini.

PODER LEGISLATIVO MUNICIPAL

A história oficial do legislativo xanxerense se inicia no dia 15 de novembro de 1954, com a posse dos primeiros vereadores deste município.

A história do legislativo xanxerense se inicia às quatorze horas do dia 15 de novembro do ano de 1954, quando em uma pequena casa de madeira, onde funcionava a Intedência do então Distrito de Xanxerê, localizada na esquina da rua Victor Konder com a Avenida La Salle, no centro da cidade, com a presença de diversas autoridades, entre eles o primeiro prefeito nomeado, Sr. Teodósio Mauricio Wanderley. Com grande número de moradores e curiosos, reuniram-se os primeiros vereadores eleitos em nosso município, no pleito eleitoral realizado em 03 de outubro de 1954, com a finalidade de proceder a instalação oficial da Câmara Municipal de Vereadores de Xanxerê, e também para dar posse ao primeiro prefeito eleito Sr. Adilio Fortes. A sessão foi presidida pelo veredor mais idoso, Sr. Ventura Migliorini. Assim ficou registrado na Ata de Instalação da Câmara Municipal de Xanxerê, a seguir transcrita:

Ata da Instalação da Câmara Municipal de Xanxerê

Aos quinze dias do mez de novembro do ano mil novecentos e cincoenta e quatro, nesta cidade de Xanxerê, Estado de Santa Catarina, República dos Estados Unidos do Brasil, reuniram-se às quatorze horas, de conformidade com o disposto na lei estadual nº 1.139 de 4 de novembro de 1954, no edifício onde funciona a Prefeitura Municipal, presentes os senhores vereadores: Ventura Migliorini, Julio Olimpio Tortato, Alberto Michelin, Ardoino A. Antoniolli e Mauricio R. da Costa, eleitos e diplomados pelo Meretissimo Doutor Juiz Eleitoral da 35ª Zona. Nos precisos termos do artigo 1º da Lei estadual nº 987 de 16 de novembro de 1953, assumiu a presidencia dos trabalhos o Sr. Vereador Ventura Migliorini, por ser o mais idoso. O Sr. Presidente teve o seu diploma de vereador apreciado pelos demais vereadores que não opuseram impugnação. Em seguida o Sr. presidente designou o Sr. Vereador Julio Olimpio Tortato, para secretariar os trabalhos desta sessão de instalação, tendo o mesmo assumido de imediato, as suas funções. O Sr. presidente convidou as autoridades presentes, para tomarem os lugares de honra, que lhes foram reservados. Verificado a presença legal de numero dos senhores vereadores, o Sr. presidente recebeu os diplomas dos eleitos, tomando-lhes o compromisso legal, assim efetuado: "Prometo exercer com dedicação e lealdade as funções do cargo de Vereador" tendo prestado em primeiro lugar, a sua promessa o Sr. presidente e, em seguida, todos os senhores vereadores presentes repetidos em vós alta o compromisso, citado nesta ata. Tendo em vista o compromisso em referência, o Sr. presidente declarou empossados os senhores vereadores presentes, com o mandato para a legislatura de 1.954 à 1.958. A seguir, convidou todos os presentes a levantarem-se, o Sr. presidente declarou instalada, para todos os efeitos constitucionais e legais, a primeira Câmara Municipal de Xanxerê, o que foi saudado sob vibrantes aplausos dos presentes. Até a decisão desta Camara sobre a mesa diretora dos seus trabalhos, o sr. Presidente declarou que, de acordo com a legislação vigente, iria proceder a eleição para presidente e vice-presidente, primeiro e segundo secretarios, mediante voto secreto. Suspensa a sessão por dez minutos, para esse fim, e reaberta, após o término do prazo teve início o ato de votação, votando em primeiro lugar o sr. presidente, e a seguir os demais vereadores, terminado a votação o Sr. Presidente convidou os senhores vereadores Julio O. Tortato e Ardoino A. Antoniolli para a devida apuração. O resultado da votação foi a seguinte: Para presidente - vereador Mauricio Rodrigues da Costa com cinco (5) votos, Vice-Presidente Alberto Michelin, com cinco (5) votos, para primeiro secretario Ardoino A. Antoniolli com quatro votos e para segundo secretario Julio Olimpio Tortato com cinco votos. De acordo com o resultado da votação, foram proclamados eleitos os seguintes vereadores: Para presidente: Mauricio Rodrigues da Costa, para Vice-Presidente: Alberto Michelin, para primeiro secretario Ardoino A. Antoniolli, para segundo secretario Julio Olimpio Tortato. O sr. Presidente deu por encerrada a sua missão e, felicitando os eleitos os convidou, para tomarem posse dos seus cargos, o que foi feito sob grandes e veementes aplausos. Assumindo a presidencia o sr. Presidente, agradeceu, em seu nome e no nome dos seus companheiros da mesa diretora, a distinção conferida, assegurando propósitos de um trabalho util a pról dos interesses da nova comuna.

O Sr. Presidente, como não houvesse manifestação do plenario, declarou encerrada a presente sessão e convocou sessão extraordinaria desta Câmara Municipal para hoje as quinze horas e des minutos, com finalidade de cumprir os dispostos pelo artigo 63 item 1º da lei nº 22 de 14 de novembro de 1947: Posse do Sr. Adilio Fortes no cargo de prefeito deste município. Eu Julio Olimpio Tortato, secretario lavrei a presente ata que vai assinada pelo Sr. presidente, e por todos os senhores vereadores presentes.

Assinaram a Ata os vereadores Maurício R. da Costa, Ventura Migliorini e Julio Olimpio Tortato.

Ver o original da Ata da Instalação da Câmara Municipal.



YouTube

2013 - 2OP DIGITAL

Câmara Municipal de Vereadores de Xanxerê
CÂMARA MUNICIPAL DE VEREADORES DE XANXERÊ
RUA RUI BARBOSA, 238, CENTRO / 49 3433-0648
89820-000 / XANXERÊ-SC